Reportagens

Na ponta dos dedos


Um dos maiores exemplos de superação do nosso tempo, Helen Keller conseguiu transpor imensos obstáculos e dedicou sua vida ao auxílio dos portadores de deficiências visual-auditivas.


Por Nadiajda Ferreira (f_nadiajda@yahoo.com.br)

 

O talento de Anne Sullivan

Nascida a 4 de abril de 1866, em Feeding Hill, Massachusetts, Anne Sullivan era filha de paupérrimos imigrantes irlandeses e sofreu com deficiência visual desde a infância. Filha mais velha de três irmãos, sua mãe morreu quando ela tinha 8 anos e, pouco depois, seu pai abandonou a família. A irmã caçula foi entregue a parentes, mas Anne e o outro irmão, que sofria de tuberculose, foram mandados para um orfanato. Dois meses após a chegada à instituição, o irmão de Anne faleceu, e ela decidiu que precisava se instruir para poder sobreviver. Implorou, então, ao diretor do orfanato que lhe permitisse estudar e ingressou na Instituição Perkins, onde cursou a instrução básica para cegos, embora não fosse seu caso. Quando os pais de Helen procuraram uma professora para a filha, Sullivan foi indicada em razão de seus problemas financeiros. Mas, mesmo não tendo um embasamento acadêmico tão sólido quanto seria de se desejar, Anne foi uma professora profundamente sofisticada e empírica, pois ampliou os métodos de ensino aos deficientes visualauditivos por meio de suas experiências com Helen e consigo mesma. Em 1931, a Temple University concedeu à professora o grau de doutora em Humanidades por seu talento e dedicação.

A professora Anne Sullivan com Helen Keller (à esquerda) e Mark Twain nos bastidores da filmagem de “A História de Minha Vida”.

Helen Keller no cinema
Helen Keller e Anne Sullivan passaram por muitas dificuldades financeiras durante a luta pelos direitos dos deficientes. Movida pelo desejo de reservar um fundo financeiro para a velhice da professora, Helen vendeu os direitos de um de seus livros, A História da Minha Vida (The Story of My Life), para que Hollywood o adaptasse para as telas. No entanto, Helen e Anne se desentenderam inúmeras vezes com os produtores da produção, que desejavam um filme comercial e fantasioso, enquanto que as duas gostariam de um documentário histórico fiel à realidade. No final, o filme foi um retumbante fracasso de bilheteria, mas, ao menos, rendeu à mestra e à aluna a amizade de Charlie Chaplin. Em 1962, Helen Keller voltou ao cinema pelas mãos do diretor Arthur Penn, num roteiro de William Gibson, que teve como centro a luta de Anne para ensinar à aluna a se comunicar e os confrontos da professora com os pais da garota, que a achavam excessivamente dura.

 

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3
 
 
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 11/12/14
Será Realmente dislexia?!
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 11/12/14
Avaliar ou Examinar
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 11/12/14
Curiosidades linguísticas

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
Mito da Caverna:


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 28 - 2011
Hannah Arendt, pensadora da política e da liberdade


Conhecimento Prático Filosofia :: Idéias :: Edição 37 - 2012
O amor filosófico e o puro prazer


Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 44 - 2013
A falsa citação de Voltaire



Edição 50

Saiba antes de todos as novidades da revista




Capa
Reportagens
Etimologia
Gramática Tradicional
Ensino
Estante
Retratos

Assine
Anuncie
Expediente
Fale Conosco
Mande sua sugestão
Favoritos


Faça já a sua assinatura!

Filosofia


Assine por 1 ano
12x de R$ 9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Geografia

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Língua Portuguesa

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Literatura

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS