Reportagens
Polissemia

Hem-hem uma marca polissêmica do falar maranhense


O uso de material de referência é essencial na preparação do professor de Português


José Neres*

A farta extensão territorial do Brasil permite que, mesmo tendo uma língua em comum, pessoas de diferentes origens se expressem de modos distintos, utilizando palavras e expressões que são usuais em uma comunidade linguística, mas totalmente desconhecidas em outra, embora nem sempre a distância física entre os dois territórios seja grande.
Essas marcas regionais dificilmente são transferidas para a escrita, mas invariavelmente se manifestam durante a fala. Não é à toa que Rousseau, em seu Ensaio Sobre a Origem das Línguas, afirma que ninguém sabe de onde um homem é até que ele comece a falar. A presença de um falante de determinada variante fonética em um ambiente linguístico diferente é denunciada tão logo ele comece a se comunicar oralmente. Não demorará muito para alguém sair com uma das seguintes frases: "Você não é daqui", "Você fala engraçado", "Você fala de modo estranho" ou "De onde você é?".
Nem sempre se trata de preconceito, mas sim de um processo de identificação acústico-fonético quase imediato pelo qual qualquer pessoa pode passar quando adentra em uma comunidade com padrão de pronúncia diferente daquela com a qual já estamos acostumados.
Porém, não é só pela pronúncia que a identidade linguística de alguém se manifesta. Há também o caso do vocabulário específico de determinadas regiões. Algumas dessas palavras acabam saindo dos limites regionais e se tornam conhecidas em um território mais vasto, servindo ora como referencial cultural, ora como espécie de caricatura dos representantes das localidades de onde tais vocábulos foram disseminados. Dessa forma, o Brasil inteiro costuma associar a palavra "trem" aos mineiros; "painho" e "mainha" aos baianos; "visse" ao pernambucano, e "tchê" aos gaúchos.
Quase sempre de maneira jocosa, como mote para brincadeiras que possam denegrir a imagem dos alvos das anedotas.

Ensaio Sobre a Origem das Línguas
A obra só foi publicada depois da morte de Rousseau e não há consenso sobre quando foi escrita, embora seja considerada parte do período inicial de produção do filósofo. O texto é dividido em três partes: a origem da linguagem, que discorre sobre o estudo da necessidade de comunicação no homem natural; a diferenciação das línguas, que estuda a evolução dos grupos humanos e dos meios de expressão; e a questão da música, que relaciona questões musicais com a evolução linguística e social.

Um vocabulário bem maranhense
No Maranhão, estado conhecido por sua culinária, por sua literatura e por seus baixíssimos índices de IDH, há várias palavras que se tornaram marcas identitárias do povo. Algumas palavras denunciam a presença de um maranhense em outra localidade. Infelizmente, não são muitos os estudos que se dedicam a verificar as variantes regionais.
No caso de Maranhão, de um lado temos trabalhos de cunho científico, como o projeto Alima - Atlas Linguístico do Maranhão, coordenado pelos professores José de Ribamar Mendes Bezerra, Maria da Conceição Ramos e Maria de Fátima Sopas Rocha, além dos pioneiros estudos sociolinguísticos do professor Ramiro Azevedo. O folclorista José Raimundo Gonçalves também organizou um pequeno glossário de palavras e expressões bastante usuais no Maranhão (o Pequeno vocabulário popular do Maranhão). Do outro lado, temos as facilidades da internet, com seus blogs e sites de relacionamento que divulgam para o mundo curiosidades vocabulares que até bem pouco tempo eram conhecidas somente entre os habitantes do Estado ou dos visitantes que se divertiam com as "pérolas" encontradas nas conversas de bares e esquinas.

A polissemia do hem-hem
O vocabulário maranhense é bastante diversificado. É possível, durante uma viagem ao sul do Estado, encontrar alguém que, aconselhando a um amigo ou a uma amiga, diga: "Deixa de inticar com essa puaca do móveis, ela é enfarenta mesmo", que, em uma tradução ficaria mais ou menos assim: "Deixe de se chatear com essa poeira que se acumula sobre os móveis, ela aborece mesmo."
Porém poucas são as pessoas que se preocupam em estudar uma palavra/ expressão que é uma das marcas registradas do falar maranhense: o hem-hem.
Polissêmico por natureza, assim como as palavras coisa e ponto, o hem-hem tem o poder de metamorfosear seus múltiplos significados de acordo com o contexto em que esteja inserido. Em si, a palavra nada significa. Contudo, quando utilizada em uma situação frasal, ganha dimensões que vão além do que pode prever um estudo superficial.

baixíssimos índices de IDH
O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) serve como parâmetro para avaliar o bem-estar de uma população por meio da medição de três critérios: riqueza, educação e expectativa média de vida. O índice foi desenvolvido em 1990 pelos economistas Amartya Sen e Mahbub ul Haq e desde 1993 é adotado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Historicamente, o Maranhão ocupa a pior posição no ranking brasileiro do IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, uma adaptação do IDH para o Brasil).

Pode significar sim quando um marido pede para a esposa se apressar e escuta: "Hem-hem, meu amor, já estou pronta!". Mas também pode ter o valor de um não, quando um irmão pede para o outro levar um copo de água e recebe como resposta: "hem-hem, por mim você morre de sede. Não sou seu empregado!". Na réplica, o termo pode assumir um tom de ameaça: "hem-hem, você me paga!". Às vezes, expressa uma interjeição de susto, quando a namorada diz a seu amado que está grávida. Ele diz: "Hem-hem, você está brincando, né!", mas também pode demonstrar resignação, quando o mesmo namorado tem que assumir suas responsabilidades: "Hem-hem, que que eu posso fazer..."
O hem-hem pode ser dito de forma rápida, para pôr fim a uma conversa ou a um assunto. O rapaz pergunta para a namorada se ela quer mesmo acabar com a relação, e ela responde com um breve "hem-hem", vira as costas e vai embora. Mas quando pronunciado de forma alongada, pode demonstrar atenção total ao que é dito, como quando alguém decide contar um segredo e escuta um "hem-heeeeeem", que tanto pode ser de aprovação, de reprovação ou simplesmente um sinal para continuar a narrativa.
Há casos em que a expressão é usada para iniciar uma conversa mais séria. O pai chega para a filha e diz: "Hem-hem, agora quero falar sobre aquele rapaz que anda ligando para você.", ou pode apresentar um tom desafio: "Hem-hem, papai, quer dizer que o senhor anda mexendo em meu celular, hem?".
De acordo com a necessidade, pode encerrar uma conversa: "Hem-hem, minha amiga, depois falamos", mas também pode servir como elemento fático e demonstrar interesse ou desinteresse do receptor com relação ao assunto discutido, deixando claro no contexto que a conversa pode continuar ou não: "hem-hem, pode parar." ou "Hem-hem, continua, continua!". Quando alguém fala muito ao telefone, sem dar tempo de responder, o interlocutor, que nem sempre está atento à conversa, pode valer-se de um "hem-hem" como forma de demonstrar que está entendendo o interminável monólogo.
Como apresenta multiplicidade de sentidos, essa palavra serve também como forma de causar ambiguidade, pois diante de uma pergunta como "A festa foi boa?", um simples hem-hem como resposta, sem uma entonação enfática e sem uma complementação da ideia, não fica claro se a resposta é positiva ou negativa.
Como apresenta multiplicidade de sentidos, essa palavra serve também como forma de causar ambiguidade, pois diante de uma pergunta como "A festa foi boa?", um simples hem-hem como resposta, sem uma entonação enfática e sem uma complementação da ideia, não fica claro se a resposta é positiva ou negativa.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
 
 
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
Comportamento de consumo
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
A mídia e o cidadão
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
Horizontes do Mercosul

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
Mito da Caverna:


Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
O animal Político


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 42 - 2013
Trabalho como conceito filosófico


Conhecimento Prático Geografia :: 03/06/13
Fórum Social Mundial 2013



Edição 47

Saiba antes de todos as novidades da revista




Capa
Reportagens
Etimologia
Gramática Tradicional
Ensino
Estante
Retratos

Assine
Anuncie
Expediente
Fale Conosco
Mande sua sugestão
Favoritos


Faça já a sua assinatura!
Conhecimento Prático Filosofia

Assine por 2 anos
12x de R$ 9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Geografia

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Língua Portuguesa

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Literatura

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS